A escolha do curso da faculdade é uma das decisões mais importantes da vida, por isso não pode ser feita às pressas. É preciso considerar critérios que vão além da facilidade da prova do vestibular ou disponibilidade de vagas no curso.

Para descobrir a melhor opção para você, é importante ter um plano. Então, vamos ver 8 coisas que você precisa considerar antes de escolher sua faculdade.

O que considerar antes de escolher sua faculdade

1. Descubra a vocação

A vocação não se resume apenas à função com a qual você tem facilidade. A vocação é um conceito mais abrangente, que envolve a sua vontade em se doar para aquele trabalho. Alguém que tem vocação para a medicina, por exemplo, irá trabalhar nisso mesmo em situações difíceis. Bons profissionais sabem que estão destinados a cumprir seu trabalho como uma missão que lhes foi dada.

Descobrir a vocação é importante para você entender o que está disposto a fazer. Para começar a considerar as possíveis áreas de atuação, comece a se perguntar: quais trabalhos eu me dedicaria mesmo diante de adversidades? Com certeza as suas respostas serão fundamentais para sua tomada de decisão. Você saberá quais os cursos que realmente estão ligados a sua vocação.

2. Pense nas grandes áreas de ensino

Um ponto de partida interessante para fazer sua escolha é considerar as grandes áreas de ensino: humanas, biológicas e exatas. Essas são as três principais ciências, e quando você pensa nelas, você considera seu futuro trabalho de maneira abrangente.

Por exemplo: se você prefere trabalhar com números ao invés de lidar com pessoas, sua área definitivamente é exatas. Você aprecia abstrações lógicas e matemáticas, então os cursos de matemática, física e engenharia podem ser os ideais.

Se seu interesse está voltado à natureza e à vida de uma maneira geral, sua área é biológica, e por isso dá para considerar medicina, biologia e educação física. Mas se não gosta nenhuma dessas áreas, talvez é hora para partir para segmentos dentro da categoria de humanas, como artes, linguagens e comunicação. Seu curso ideal pode ser Letras, Jornalismo, Direito, Filosofia, História ou Pedagogia. Dessa forma você vai afunilando as opções.

3. Considere as áreas de atuação

Cada profissão também possui diversas áreas em que você pode atuar. Um estudante de Odontologia, por exemplo, depois de formado, pode ser um implantodontista, um ortodontista, pode trabalhar com pediatria. Um jornalista pode ser repórter, editor, diretor de redação, colunista.

Você pode considerar a abrangência que possui seu curso dentro do mercado de trabalho. Certamente há cursos que possuem mais cargos interessantes para você. Em todo caso, esse exercício é interessante para você descobrir o que poderá explorar depois do curso.

4. Ofertas de emprego

Outro ponto fundamental é a quantia de empregos disponíveis no mercado. Analise as tendências do mercado para descobrir se houve expansão das áreas de interesse nos últimos anos. Quando há um aumento da procura por serviços ou produtos relacionados à profissão, há também um aumento da demanda por profissionais.

Por isso, analise como anda o crescimento da área de atuação no Brasil. Em seguida, procure saber se na sua cidade há ofertas de emprego. Você consegue fazer uma boa pesquisa em sites de ofertas e classificados ou em grupos do Facebook. Além disso, considere a possibilidade de mudar de cidade para exercer a profissão, pois em muitos caso vale a pena.

5. Avalie suas qualidades

Além da vocação, existe a sua predisposição, comumente chamada de “dom”. Trata-se de habilidades que você possui que se encaixam em algumas profissões. Elas fazem com que você seja predisposto a um conjunto de funções diferentes, o que difere das áreas de interesse. Por exemplo: se você tem destreza com as mãos, pode ser um engenheiro mecânico ou um músico.

Portanto, pense: quais são suas habilidades? O que você faz de maneira simples, isto é, quais os trabalhos que você executa com habilidade enquanto outras pessoas não?

6. Considere o bem-estar e o prazer

É evidente que não basta ter facilidades em algumas áreas, é preciso ter prazer em fazer tal trabalho. Afinal, quando entramos na faculdade, estamos escolhendo a ocupação diária até a aposentadoria.

É preciso pensar, portanto, em qual trabalho você pode executar durante décadas que irá lhe dar prazer e satisfação. O bem-estar é fundamental não só para a sua saúde, mas para seu desenvolvimento profissional. Quando você gosta da área, você irá estudar e se dedicar cada vez mais, aumentando a chance de atingir o sucesso.

7. Visualize seu futuro

Um bom exercício para se fazer é imaginar o seu futuro. Depois de considerar as dicas anteriores, você pode ter filtrado suas escolhas. Se sobraram algumas áreas de atuação, comece a pensar no seu futuro em cada uma delas.

Imagine-se como um profissional experiente de cada trabalho, e analise as possibilidades que você tem à disposição. Essa simples tarefa irá clarear bastante sua mente, pois sua imaginação lhe ajudará a se sentir como um profissional já formado.

8. Tenha uma lista

Depois de realizar todos esses procedimentos, faça uma lista de possíveis cursos. Errar na primeira escolha é mais comum do que as pessoas imaginam. Antes de ingressar na faculdade, o estudante tem apenas uma ideia de como o curso é. Ele saberá, evidentemente, só após ingressar na faculdade e ter contato com o instrumental e o conteúdo a ser aprendido.

Além disso, você só saberá como é a profissão após terminar o curso. Por isso, é muito importante ter um plano B, e sua lista irá ser extremamente útil para isso. Então, guarde-a e saiba que você poderá utilizar, sim, um plano B, caso não goste do curso, pois isso é totalmente comum.

Como decidir?

Agora você tem diversos critérios para considerar antes de escolher seu curso. Para fazer a decisão, vale a pena ser metódico. Pegue caneta e papel ou abra um documento no computador para descrever suas as considerações. Pense em cada item listado acima e escreva os cursos por ordem de adequação ao critério.

Em seguida, veja quais os cursos que apareceram mais vezes para montar sua lista, organizada por ordem de aparecimento. Caso achar útil, faça testes vocacionais durante esse processo, pois eles podem ser de grande ajuda para a elaboração da sua lista.Além disso, não deixe de conhecer nossos cursos, pois com certeza isso lhe ajudará na sua escolha final!

Categorias: Educação

Leonildo Marques Silva

Diretor Geral da Faculdade Sensu - Diretor de Comunicação e Marketing do Instituto Lato Sensu – Sócio Proprietário da ALTI Serviços em Tecnologia da Informação - Professor da Educação Básica na Rede Pública do Estado de Goiás Licenciado em Ciências Biológicas pela UFG. Especialista em Análise Ambiental e Geoprocessamento pela UFG. Especialista em Perícia Ambiental pela PUC/GO. É aluno especial do programa de pós-graduação stricto sensu em Educação, Linguagem e Tecnologia – IELT/UEG. É membro do grupo de pesquisa em Didática (DIDATKÉ) na Faculdade de Educação da UFG.

1 comentário

Alanna · 29/08/2019 às 08:32

Excelentes dicas! A que eu mais gostei foi a de pensar nas áreas de atuação.

Ter um leque amplo de possiblidades de exercício da profissão é ótimo, ajuda inclusive a fazer uma recolocação profissional no futuro, caso vc não goste da área de atuação que escolheu ou caso o mercado de trabalho não seja bom.

Flexibilidade profissional, na minha opinião, é uma das características mais importantes a ser cultivada nesse nosso mundo VUCA.

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado.