Como uma segunda graduação pode mudar sua carreira

Em um escritório, mulher branca está ao centro da imagem. Ela tem cabelos loiros, lisos e grandes e veste blusa estampada florida nas cores azul, branco e rosa e paletó preto. Ela está a apertar a mão de um homem branco, de costas para a câmera. Ele veste terno cinza e usa relógio e está à esquerda da imagem. Ao lado direito, uma mulher branca, de cabelos grandes, lisos e castanhos compõe a imagem. Ela veste blusa azul. Todos estão envoltos a uma mesa de madeira, a qual sustenta uma pasta preta em frente a primeira mulher.

Será que uma decisão errada tomada durante a adolescência, ou nos primeiros anos da vida adulta, deve impactar a carreira pelo resto da vida? Será que é possível mudar de sonhos e planos? Este texto tem o objetivo de mostrar como uma segunda graduação pode ser a solução.

De modo geral, as pessoas entram na faculdade assim que terminam o Ensino Médio, na faixa dos 17 aos 20 anos. Nessa época, é comum aparecerem dúvidas sobre qual profissão escolher, as vantagens dessa decisão e as oportunidades de trabalho.

Muitas vezes, as escolhas se baseiam em um ideal de profissão, o que não acontece na prática. Por exemplo, um profissional formado em Serviço Social pode não exercer a profissão de modo direto na comunidade. Em alguns casos, o trabalho acontece dentro de órgãos governamentais e é bem mais burocrático do que se imagina.

Profissionais formados em Comunicação Social também estão longe de atuarem em veículos de comunicação como jornalistas, de fato. É comum muitos migrarem para a área de marketing, que costuma ter melhores chances e salários.

Nessa hora, muitos profissionais podem se sentir frustrados com a carreira e o futuro. No entanto, é sempre possível adaptar os planos para que eles se encaixem em um propósito de vida.

Não existe tempo para mudar de carreira

Se a sua preocupação é em relação à idade e ao fato de ter que começar uma nova graduação, lembre-se de que os caminhos mais difíceis podem trazer resultados melhores a longo prazo.

Além disso, o mundo do século XXI é plural. Então, porque não tentar algo novo?! Optar por uma nova carreira aos 30 ou 40 anos, por exemplo, pode ser uma decisão mais madura e que condiz com as suas expectativas.

Outra possibilidade é que a segunda graduação pode complementar a primeira e, mesmo assim, possibilitar mudança de carreira. Por exemplo: profissionais graduados em Pedagogia podem estar melhores preparados para o mercado ao fazerem uma segunda graduação em Psicologia.

Os pedagogos atuam na área de ensino, mas uma segunda formação em Psicologia poderá permitir o ingresso em hospitais, organizações do terceiro setor, em clínicas ou, até mesmo, em grandes empresas. Uma segunda graduação traz prestígio para o currículo.

E quando você ficar indeciso por se achar muito velho para enfrentar uma nova faculdade, considere os dados do Censo de Educação Superior, de 2017. As estatísticas mostram que há 18,9 mil universitários entre 60 e 64 anos. Acima dos 65 anos, o número de estudantes no ensino superior é de 7,8 mil pessoas. Então, nunca é tarde!

Novo diploma abre portas para novas oportunidades

No Brasil, existem o bacharelado e a licenciatura. Para quem deseja atuar na área de educação básica, a licenciatura é condição fundamental. Caso contrário, será quase impossível alcançar tal feito, mesmo que o profissional tenha um mestrado.

Já o mestrado permite que o profissional atue como professor em algumas faculdades. Para conseguir dar aulas no Ensino Fundamental e Médio, no entanto, as escolas costumam exigir a licenciatura.

Ao escolher uma segunda graduação, portanto, o profissional terá pela frente novas oportunidades em outros campos de atuação. Vale acrescentar que o novo diploma conta como título caso o profissional preste algum concurso público e isso permite que ele ganhe pontos em relação a outros candidatos.

Segunda graduação faz com que você tenha sempre um plano B

Embora a decisão de mudar de carreira seja um pouco estressante, começar tudo outra vez é a oportunidade para uma nova história. A possibilidade de ter sucesso na nova carreira é maior, pois essa escolha está sendo feito em outro momento da vida, sem a pressão psicológica dos pais e da sociedade para que você se saia bem.

Nada impede, também, que, enquanto estuda de novo, você continue atuando na profissão antiga. Essa é uma forma de garantir a subsistência, enquanto se encaminha nos estudos.

Por volta do terceiro período da faculdade, já é possível começar com os estágios. Assim, você irá conhecer especialistas da nova área, o que aumenta a sua rede de contatos e pode ser um trampolim para conquistar um emprego definitivo na nova atuação.

Outra vantagem é que a segunda graduação abre portas para que você seja um profissional multitarefas. Isso significa dizer, com várias habilidades.

Nada impede que a mudança seja completamente diferente

Nem sempre uma formação complementar está nos nossos sonhos. Então, também é possível optar por um novo diploma, em uma área bem diferente, seja por objetivos financeiros ou emocionais.

Graduados na área de humanas e sociais, por exemplo, podem tentar uma nova graduação na área de exatas. Vale dizer que nesta há mais oportunidade de trabalho.

Da mesma forma, um trabalhador com uma carreira já consolidada pode pensar que agora é a hora de fazer, de fato, o que gosta. Nada o impede de optar por um curso de Artes ou Direito, por exemplo.

Por onde começar para obter um novo diploma?

Se está no seu objetivo de vida uma nova graduação, é preciso se planejar para conquistar o sonho. Então, analise qual a nova carreira que deseja, quais as oportunidades que ela traz e o quanto você está disposto a investir em tempo e dedicação nessa formação.

Aliás, a segunda graduação pode vir com o acesso facilitado. Muitas faculdades têm a opção de ingresso com o diploma do primeiro curso, o que o livra de enfrentar os vestibulares.

Outra vantagem é que, se a nova graduação for complementar, você pode aproveitar algumas matérias estudadas na faculdade anterior. Com isso, há a possibilidade de terminar o curso em um período de tempo menor.

As únicas exigências para a nova formação é que você consiga conciliar os estudos com a rotina pessoal e profissional e que esteja disposto. No começo, pode ser difícil, principalmente se você estiver acostumado a chegar do trabalho, jantar e fazer tarefas relaxantes.

Por isso, o planejamento de horários é fundamental. Assim, você encaixa a segunda graduação na sua vida e, também, consegue tempo para trabalhar, cuidar das tarefas domésticas e, é claro, divertir-se.

E você, já se convenceu a escolher novos rumos? Então, que tal conhecer os cursos que oferecemos? Um deles pode ser a chave para o seu futuro. Entre em nosso site e verifique qual opção casa melhor com a sua nova carreira. Para mais curiosidades, continue navegando em nosso blog.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *