O desenvolvimento da web mudou o comportamento das pessoas. Se antes, as pessoas precisavam consultar os jornais impressos diariamente para ler notícias, elas podem, atualmente, fazer isso sempre que achar necessário de modo digital.

O mesmo ocorreu com os estudos. Muitas pessoas, com as novas tecnologias, podem fazer o curso que desejam de forma online, sem que precisem estar cotidiana e presencialmente em sala de aula.

Todavia, o universo digital também criou a figura do inútil digital. Para saber quem é ele e quais são os riscos de se tornar um, continue a leitura.

O que é o inútil digital?

Antes de qualquer coisa, vale dizer que o “inútil digital” não se trata necessariamente de uma pessoa, mas de um comportamento que pode tornar você uma pessoa improdutiva.

Do ponto de vista da usabilidade da internet para obter mais conhecimentos, a inutilidade digital é o comportamento que utiliza a web de forma não inteligente. Capaz de afetar o alcance dos seus objetivos, sejam eles a curto, médio ou de longo prazo.

Não falamos de objetivos grandiosos, mas de coisas simples, como realizar uma pesquisa para encontrar um documento, artigo, dissertação, tese, etc., ou achar um site, produto, serviço que você deseja.

Inutilidade digital X Utilidade digital

A inutilidade digital entra em rota de colisão com a utilidade digital ou, como muitos chamam, de comportamento que utiliza a internet sabiamente.

Em virtude disso, alguns comportamentos de utilidade digital que podemos destacar, segundo a pesquisa que fizemos, são:

Priorizar o acesso à internet com foco na realização de trabalhos que tenham relação com o que deseja para a sua vida, em termos acadêmicos, profissionais e até ideais;
Evitar hábitos de dependência em relação à internet;
Desabilitar notificações que possam atrapalhar o seu rendimento na tarefa que estiver realizando na web;
Acessar à web para focar na leitura de livros ou para ler sobre temas contemporâneos, como educação, saúde, etc.;
Realizar cursos, qualquer que seja o seu nível (capacitação, formação, qualificação, técnico, graduação, pós-graduação, etc.), como os ligados as seguintes áreas: direito, logística, segurança pública e gestão pública, pedagogia, psicopedagogia.

Vale dizer, no entanto, que a utilidade digital não é um conceito fixo, uma vez que, o que pode ser produtivo para uma pessoa, pode, assim, não ser para outra.

A questão da utilidade digital encontra, de certo modo, apoio nos padrões sociais, ou seja, a sociedade, em seu sentido genérico, estimula as pessoas a adotarem um comportamento mais produtivo.

O ideal, nesse sentido, é focar em algo que você deseja e que te faça bem.

Riscos de nos tornarmos inúteis digitais

Mesmo que tenhamos destacado a ideia de que uma coisa para uma pessoa pode ser produtiva e, para outra não, é fato que existem alguns riscos que podemos desenvolver em relação à inutilidade digital, que ultrapassa essa dualidade.

A seguir, abordamos alguns deles:

Improdutividade

Um dos primeiros riscos que podemos destacar em relação à inutilidade digital é a improdutividade.

Quando deixamos de fazer algo na web que pode ser interessante para o nosso conhecimento e experiência de campo/empírica, consequentemente, abrimos mão da possibilidade de atingirmos nossos objetivos. Uma vez que isso pode afetar o nosso desenvolvimento.

Algumas atitudes na web que podem representar improdutividade são, por exemplo, passar muito tempo logado em redes sociais, não fazendo nada de interessante, mas, apenas observando a história ou linha de tempo dos amigos e colegas. É tempo gasto que poderia ser utilizado de forma mais produtiva, que poderia te oferecer uma boa contrapartida.

Gasto de energia/tempo

Como sabemos, tempo é dinheiro. Ainda que se trate de um clichê, é uma frase que faz um grande sentido, quando a aplicamos no contexto em tela.

Quando nos tornamos inúteis digitais, gastamos energia e tempo com coisas desnecessárias, a exemplo do que destacamos anteriormente (uso excessivo das redes sociais). Deixando, assim, de focar no que realmente é importante para o nosso desenvolvimento, seja pessoal, acadêmico (intelectual) ou profissional.

Fora isso, ao passarmos muito tempo utilizando a internet de forma pouco produtiva, podemos desenvolver problemas na visão. Pois, estes podem ser ocasionados, por exemplo, pelo uso excessivo da web. Quer a pessoa esteja utilizando-a de forma produtiva quer não.

O ideal é tentar usar a internet de maneira ponderada, para que assim esse tipo de problema seja evitado.

Sensação de inutilidade

O inútil digital também pode desenvolver uma sensação de inutilidade, em virtude do seu comportamento na web. O fato de não fazer nada produtivo e ter a consciência disso, pode tolhir a pessoa de satisfação e desenvolvimento pessoal e/ou profissional.

Portanto, alimentar a sensação de inutilidade pode ocasionar outros problemas, como peso na consciência, culpa, estresse, ansiedade e, até mesmo, depressão. Tome atitudes que contribuam para a sua saúde física e mental.

No entanto, como dissemos, a questão da produtividade no ambiente da web é algo não-estático, o que significa dizer que a pessoa deve ser produtiva conforme os seus interesses. Por exemplo, é um curso que deseja fazer? Foque nele e deixe as coisas desnecessárias da web de lado. É uma forma de usá-la com sabedoria.

Aproveite o momento e acesse nosso site para conhecer os nossos cursos. Temos cursos ligados ao direito, logística, segurança pública, gestão pública, entre outras áreas. Eles podem garantir que faça algo produtivo na web. Que tal?

Categorias: Diversos

0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado.