Antes da eclosão do mercado de trabalho, no primórdio das civilizações, entendia-se que para obter algo que o outro tinha, era preciso fazer uma troca. A troca comercial, ou prática de escambo.

Esta prática consistia em pessoas trocando produtos entre si antes do surgimento das moedas. Após a monetização, os produtos e os serviços passaram a ser vendidos para atender à demanda das comunidades.

Essa antiga prática se aplica ao que chamamos de mercado de trabalho. O lugar onde as pessoas vendem os serviços que prestam em troca do salário pago pelos empregadores.

Se você está em busca de – seu primeiro – emprego, confira neste post o que você precisa saber sobre o mercado de trabalho e se prepare para a sua entrevista.

Boa leitura!

O Funcionamento do mercado de trabalho

O mercado de trabalho é um dos nichos responsáveis pela circulação da economia no país. Cabe a ele, em síntese, atender à demanda de serviços necessários à sociedade e também à produtividade do segmento capitalista.

Dessa maneira, os trabalhadores são tidos como População Economicamente Ativa (PEA). São eles os principais geradores de riqueza para o Produto Interno Bruto (PIB) e que estão distribuídos nos setores primários, secundários e terciários.

Enquanto isso o mercado de trabalho existe na lógica de duas classificações: o trabalho formal e o informal. O primeiro é aquele que concede registro na carteira com legalidades trabalhistas e contribuições à previdência social; enquanto, o segundo, não fornece nenhum destes benefícios.

O pai da economia moderna, Adam Smith, já dizia, em suma, que o mercado de trabalho também faz parte da lei da oferta e da procura. Portanto, isso significa dizer que quanto maior a demanda por um produto, maior será o preço desse produto e, se menor a demanda por um produto, menor será seu preço.

Então, aplicado neste segmento, segue-se a mesma lógica de que a oferta de trabalho é oferecida pelo trabalhador e as empresas são responsáveis pela demanda. Assim, quanto menor o salário, maior a demanda por trabalho e menor o número de desemprego.

Tecnologia e a instabilidade do Mercado de Trabalho

Entretanto, com a tecnologia, parte da mão de obra humana foi substituída por máquinas e a instabilidade do mercado colaborou para 12,8 milhões de brasileiros desempregados. Dessa forma, quanto mais o trabalho for diferenciado, maior será o salário e as chances de contratação.

Assim, aumentou-se a competitividade no mercado de trabalho – nacional- e o destaque curricular no momento da contratação é cada vez mais essencial. Para se destacar no mercado de trabalho, o candidato tem duas formas: por meio da qualificação ou de habilidades. E é sobre elas que vamos falar a seguir.

Continue lendo!

Qualificação

Decorrente da escassez de serviços para atender à demanda de trabalhadores e com a modernização do trabalho, as empresas costumam ser rigorosas na hora da contratação.

Desse modo, a primeira coisa que os contratantes olham em um currículo é a qualificação daquela pessoa. Que se entende por: onde ela se formou, quais experiências ela tem como profissional e os cursos extracurriculares agregadores à profissão.

Com a competitividade em massa, a graduação é indispensável, pois há uma especialização fundamentada em teoria e prática do ramo desejado. Também há a experiência de estágios que fomentam a vivência da área, por isso, ela é a porta de entrada. O mesmo se faz para a pós-graduação.

Outra opção de destaque são cursos de ferramentas básicas ou de atualizações da profissão escolhida. Itens atrativos, que frisam a inovação do trabalhador e o quanto ele pode agregar àquela empresa.

Outro idioma

Saber falar outro idioma também soma um ponto na hora do desempate por uma vaga. Significa a expansão comercial do trabalho para aquela empresa, além de uma bagagem cultural extra. Então, caso exista a possibilidade, um intercâmbio sempre é visto com bons olhos e comprova a habilidade com a língua.

Portfólio

Além destes itens, é muito importante mostrar um portfólio, por exemplo. É uma forma de instigar, assim, o recrutador e avaliar logo de cara se atenderá aos requisitos da vaga.

Experiências profissionais

Em relação às experiências profissionais, é preferível que seja aplicado no currículo apenas aquelas da área de atuação, para ficar segmentado e não muito extenso. Por exemplo, se você atua na área de Direito e busca por vagas neste contexto, mas já trabalhou como vendedor, coloque apenas sua experiência dessa área.

Contudo, de nada adianta uma excelente faculdade e ótimos cursos, se o profissional não possui certas habilidades de desenvoltura na empresa.

Habilidades chave

Muitas pessoas podem achar menos importante a habilidade e a capacitação, mas, na prática e na rotina do dia a dia, isso faz toda a diferença. E acredite, os recrutadores também avaliam estes requisitos.

Assim, para agilizar o processo de contratação, as empresas montam uma ficha da pessoa ideal para realizar aquele serviço. O que não se dá só pelo segmento de trabalho, mas também pela personalidade.

Então, atente-se aos itens abaixo. Caso você não possua uma destas habilidades, é hora de mudar as coisas!

• Saber trabalhar em equipe:

Em certo momento, o trabalho individual não consegue ser tão inovador e, com isso, é necessário unir ideias e forças com a equipe. O objetivo são as trocas de experiência entre diversos setores, além de ter maior agilidade no processo.

• Ter proatividade:

O que caracteriza um bom profissional em tempos modernos é sua rapidez e capacidade de inovação. Sugestões criativas são sempre bem-vindas e iniciativas rápidas também. Por isso, não espere que o outro faça isso por você. É importante mostrar interesse e novas propostas para a empresa.

• Facilidade para falar em público

A experiência desta habilidade provém da faculdade com os trabalhos e é impreterível para o mercado. Seja em uma reunião com a equipe ou de negócios, a boa comunicação e desenvoltura em público são importantes para qualquer área de atuação.

• Habilidade com a escrita

A comunicação em uma empresa deve ser rigorosa para não haver tantas más interpretações. A comunicação se faz necessária também para as relações interpessoais, a fim de ser objetiva.

Então, na hora da entrevista, é importante que haja transparência para não haver frustrações das partes. Depois da primeira entrevista de emprego, as outras passam a ser mais naturais e você tira de letra.

Agora que você conhece um pouco mais sobre o mercado de trabalho, que tal investir em você? Acesse nosso site para conhecer nossos cursos e atualize o seu currículo! Visite também nosso blog para outras dicas!

Categorias: Diversos

0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado.