Dia Mundial da Saúde e Nutrição

Homem de cabelo grisalho e pele clara, segurando bananas em um supermercado. Veste camiseta cinza escuro. Ao fundo desfocado supermercado e mulher em pé.

A relação da pandemia com a realidade alimentar

O Dia da Saúde e da Nutrição é comemorado em 31 de março, a data foi criada em 2004 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), como uma oportunidade para discutir e avaliar as práticas nutricionais e a importância das políticas públicas e preventivas.

A OMS recomenda que os governos desenvolvam e atualizem periodicamente as diretrizes nacionais de alimentação e nutrição, levando em consideração as mudanças nos hábitos alimentares e o estado de saúde das populações. Essas diretrizes destinam-se para apoiar a educação alimentar e nutricional e apoiar as políticas e programas nacionais de alimentação e nutrição.

A alimentação adequada e saudável é um direito humano fundamental, que implica a garantia de acesso permanente e duradouro. Como parte das ações do governo brasileiro para promover a  saúde e a segurança alimentar e nutricional, o Ministério da Saúde publicou em 2014 o Guia Alimentar para a População Brasileira – Promovendo a Alimentação Saudável, com orientações para o primeiro guia alimentar oficial para nossa população.

Este guia é uma referência para famílias, governos e profissionais de saúde na promoção de uma alimentação completa e saudável. Para ter uma boa alimentação, é necessário ter uma alimentação moderada e equilibrada, encontrar formas de fornecer uma quantidade suficiente e  variedade  de nutrientes para o organismo.

Pandemia e a realidade alimentar

Com a chegada da pandemia do Coronavírus a realidade alimentar de grande parte da população não só brasileira como mundial piorou significativamente, as dificuldades e desigualdades se intensificaram.

A fome aumentou exponencialmente em todo o planeta, e segundo o relatório The State of Food Security and Nutrition in the World 2021, em português livre ‘A situação da segurança alimentar e nutricional no mundo’. Elaborado por agências da ONU, analisou o impacto global da pandemia na realidade alimentar e o que pode ser feito para reverter o cenário crítico até 2030. Principalmente por meio da diplomacia, o aumento provavelmente está relacionado às consequências da Covid-19, que provocou recessões brutais e prejudicou o acesso à comida de qualidade.

Publicações anteriores alertaram o mundo de que a segurança alimentar de milhões de pessoas, incluindo muitas crianças, estão em perigo. Mas, o maior impacto ocorre na África, onde 21% da população ou quase 282 milhões de pessoas estão subnutridas. A Ásia é o continente com mais pessoas desnutridas, 18 milhões. Uma taxa mais baixa, mas ainda alta, está na América Latina e no Caribe 60 milhões.

De acordo com o estudo, até 2030 é preciso transformar o sistema alimentar por meio de diversas medidas, como políticas públicas, investimento social, construção de  cultura de paz em áreas de conflito, empoderamento de mulheres e jovens e  ampliação do acesso à tecnologia e educação.

Para evitar que os indicadores continuem crescendo mesmo após a pandemia, os autores do estudo ressaltam que as mudanças devem começar agora.

A realidade dos brasileiros

No Brasil a pandemia mostrou vários aspectos da desigualdade social, inclusive nos hábitos alimentares. Durante a pandemia, pesquisas mostraram que pessoas com taxa de escolaridade maior e em regiões economicamente mais desenvolvidas durante a pandemia começaram a se alimentar de forma melhor, mais saudável. O que mostra o privilégio de quem durante o isolamento social poder cozinhar em casa e com uma grande variedade de alimentos. 

Por outro lado, locais onde a população tem menos escolaridade e são menos  desenvolvidas economicamente, onde várias continuaram trabalhando e muitos tiveram uma diminuição da renda familiar, o consumo de alimentos saudáveis diminuiu. 

Pesquisa NutriNet

Uma das pesquisas realizadas durante esse período foi a NutriNet, realizada no Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da Universidade de São Paulo (Nupens/USP).

Os pesquisadores coletaram respostas alimentares de brasileiros  entre  26 de janeiro e 15 de fevereiro de 2020, e depois repetiram o processo de 10 de maio a 19 de maio. Ou seja, existem informações de antes e depois da pandemia.

Os questionários respondidos perguntavam a respeito do consumo de alimentos saudáveis como hortaliças, frutas e leguminosas e não saudável como alimentos ultraprocessados.

Com a pesquisa foi possível observar o seguinte resultado um pequeno, mas significativo aumento no consumo de hortaliças de 87,3% para 89,1%. Frutas de 78,3% para 81,8% e leguminosas de 53,5% para 55,3%.

Pesquisa ConVid

Já outro estudo, a ConVid Pesquisa de Comportamentos, traz conclusões diferentes. A partir de questionários preenchidos por 44 mil brasileiros, os cientistas encontraram maior dificuldade em consumir alimentos saudáveis ​​cinco ou mais vezes por semana. O trabalho, liderado pela Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz) em parceria com a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e a Universidade Federal de Minas Gerais, conclui:

33% das pessoas disseram comer legumes e verduras em média cinco ou mais vezes por semana durante a pandemia, em comparação com 37,3% antes. Para frutas, o número saiu de 32,8% para 31,9%. Quanto aos legumes, 31,9% disseram comê-los cinco vezes ou mais por semana durante a pandemia. Mas 32,8% alegaram que tinham esse hábito positivo antes do da chegada do coronavírus 

Além disso, pesquisas mostram um aumento no consumo de alimentos ultraprocessados, que está ligado a vários problemas de saúde:

10% dos voluntários admitiram consumir congelados como pizzas, lasanhas e pratos prontos em dois ou mais dias na semana antes da pandemia. A taxa aumentou para 14,6% durante a pandemia. Quando o assunto são salgadinhos de pacote, o índice subiu de 9,5% para 13,2%. Por fim, o consumo de doces que incluem chocolates, biscoitos e pedaços de tortas ou bolos foi de 41,3% para 47,1%. 

Resultados

Mas porque os resultados são diferentes? A resposta está no grupo de pessoas pesquisadas, o próprio relatório do estudo NutriNet da USP reconhece que o trabalho da Fiocruz selecionou um grupo sociodemográfico de respondentes  mais representativo da população adulta geral no Brasil.

No caso da NutriNet, 78% do público analisado era composto por mulheres e quase 80% residiam no Sul e no Sudeste. Conclusão: a pesquisa foi feita com um grupo onde a maioria são mulheres e em uma região mais rica do país. 

Isso mostra que as mulheres podem se cuidar melhor durante uma pandemia, e  o dinheiro é importante para manter uma alimentação saudável, principalmente durante uma crise que afeta a economia.

Uma alimentação mais saudável

Os alimentos industrializados em grande maioria são inimigos da alimentação saudável, com rótulos lindos de encher os olhos, a falsa promessa do saudável, engana muitos brasileiros mas na verdade são alimentos ultraprocessados. 

Nos últimos anos, muitos perfis nas redes sociais e sites vem monitorando e postando a verdade sobre os alimentos que se passam por saudável. A falta de informação que a maioria da população tem, acabam comprando achando que estão fazendo uma boa escolha.

E essa falsa sensação de estar comprando um produto saudável faz com que as doenças cheguem embaladas nas mesas de milhares de brasileiros, mas já existem aplicativos, inclusive criado por brasileiros, e sites para ajudar na hora da compra de produtos industrializados. 

Como é o caso do Desrotulando e o Loomos que pode ser baixado no celular e faz escaneamento do código de barras. A pessoa consegue saber o que realmente são os ingredientes presentes nos alimentos e a quantidade. Sites como o O Joio e O Trigo também dão ótimas dicas, e trás diversas reportagens sobre alimentação e saúde.

Cultivo em casa

Uma boa opção para melhorar sua alimentação são as hortas feitas em casa. Que podem ser no quintal ou para que não tem essa opção ser plantadas em vasos ou objetos recicláveis como garrafa pet. Durante a pandemia houve um aumento no cultivo de alimentos em casa. E para quem tem interesse a Embrapa disponibiliza uma revista com dicas para cultivo de horta em pequenos espaços. 

A melhor escolha é sempre procurar por hortaliças, legumes e frutas da estação. Que costumam ter um preço mais acessível e são mais saudáveis que alimentos processados. O Brasil vive uma crise alimentar onde uma pequena parte da população tem acesso a bons alimentos. Grande maioria por uma série de fatores como, economia, falta de informação, se alimentam de maneira errada e muitas vezes sendo enganados por falsas embalagens.

Por isso, procure sempre olhar a lista de ingredientes e procure sempre a menor quantidade. Lembre-se a quantidade é sempre do primeiro para o último, ou seja o primeiro da lista vem em maior quantidade e assim por diante. Se possível pesquise sobre o produto antes de comprar e transmita informações sobre os alimentos para outras pessoas.

Se você gostou desse conteúdo e quer ler mais sobre acesse nosso blog, conheça também nosso site e com vários cursos. 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *