O Ensino a Distância (EAD) ganha cada vez mais força no mercado. A procura por essa modalidade se dá tanto por motivos financeiros quanto pela flexibilidade, sendo cada vez mais abraçado por estudantes no Brasil e no exterior.

Em primeiro lugar, a modalidade EAD derrubou inúmeras barreiras. Permitiu, assim, que o estudante tivesse acesso ao ensino de qualidade sem a necessidade de estar no mesmo local e horário que o professor.

Contudo, essa forma de estudo criou demandas diversas. Isso exigiu que inúmeros processos fossem criados e que, assim, novos recursos fossem necessários para atender a essa modalidade de ensino.

Deste modo, é sempre bom conhecer e ficar por dentro do assunto, pois essa forma de ensino possui algumas particularidades. É importante para aqueles que atuam nessa área conhecer a fundo sobre o EAD, a fim de que suas sugestões sejam assertivas e de qualidade.

Além disso, devemos levar em conta a atual situação, pois nos encontramos em momento de pandemia. Por motivo de isolamento social, as pessoas tiveram que se adaptar, buscando processos remotos de estudos.

Por conta disso, o ensino EAD é cada vez mais conhecido. Sobretudo, para aqueles que não possuem acesso à locomoção, seja por motivos de isolamento social ou por condições financeiras prejudicadas pela pandemia.

Quer saber mais sobre o assunto? Confira o nosso post de hoje e tire todas as suas dúvidas!

EAD: como tornar essa prática cada vez mais eficiente?

Ao mesmo tempo em que é observado o crescimento dessa modalidade de ensino, destaca-se também alguns problemas que ela traz. A continuidade dos estudos, por exemplo, pode ficar prejudicada. Aulas à distância tendem a ser difíceis para aqueles que não conseguem organizar seus horários de estudo, por exemplo.

Tendo isso em vista, confira abaixo algumas boas práticas que todos os professores e gestores desse setor devem conhecer:

1. Estimular a interação

Em primeiro lugar, um dos fatores que pode atrapalhar o EAD é, sem dúvidas, a distração. Isso porque é bem comum perder o foco em estudos no meio virtual.

Dessa forma, é necessário que o educador incentive a interação de seus alunos por meio de processos e práticas pedagógicas. Isso pode ser feito por meio de quizzes, perguntas e respostas, cruzadinhas, e outras atividades.

Além do mais, procurar sempre manter a interação dos alunos faz com que os estudantes foquem e sejam mais ativos nas aulas. Além disso, torna esses alunos mais criativos, o que contribui com uma retenção de saber ainda mais efetiva quanto às atividades propostas na plataforma virtual.

2. Incentivar e capacitar professores

Em suma, essa função está ligada ao gestor da instituição, pois a prática de tornar a educação mais digitalizada é seu dever. Assim, da mesma forma que é importante que os educadores estimulem a adesão dos alunos, o mesmo deve acontecer por parte da gestão quanto a seus colaboradores.

Em outras palavras, o gestor deve investir na capacitação dos seus profissionais e em treinamentos a fim de torná-los ainda mais preparados. Isso no que diz respeito à utilização de tecnologias para as aulas. Além disso, o gestor deve ficar por dentro das diversas chances de otimizar os recursos de estudos.

3. EAD: além das videoaulas

Para conseguir estimular de modo contínuo a vontade dos alunos de estudarem pelo EAD, é importante que os educadores se empenhem a ir além das videoaulas. Em outras palavras, um dos processos fundamentais para esse objetivo pode ser a criação de videoaulas.

Assim, os educadores devem se manter disponíveis para tirar as dúvidas dos seus alunos, além de prover mecanismos de suporte para tirar essas dúvidas. Esse contato pode ser feito por meio de chats, e-mails, hangouts, entre outros. Logo, se vê que a diferença entre o sucesso e o fracasso do EAD nas instituições está nas funções e na estabilidade do sistema de gestão.

4. Possuir um planejamento pedagógico definido

O ensino a distância demanda um planejamento pedagógico diverso. Portanto, o gestor responsável se reúne com colaboradores e cria uma metodologia para o ambiente virtual.

Dessa forma, o gestor cuida de todo o processo do EAD sob o ponto de vista pedagógico, como por exemplo:

  • metodologia de ensino;
  • gerenciamento de tempo;
  • habilidades e competências do professor ou educador.

Assim, além de treinamentos e capacitação, é necessário avaliar a viabilidade e a aplicabilidade de recursos, como chats on-line e métodos de avaliação.

5. Possuir plataforma eficiente

Possuir apenas professores e educadores capacitados e uma metodologia pedagógica bem aplicada não é o suficiente se nada disso puder ser posto em prática. Como no EAD, os alunos se encontram distantes, de modo físico, das instituições, os meios de interação devem ser objetivos e efetivos.

Em outras palavras, sem uma plataforma intuitiva, eficiente e robusta que promova uma boa navegação e função do ensino remoto, todo o planejamento pode ir por água abaixo. É necessário que chats e fóruns de discussão, por exemplo, estejam disponíveis para estimular o aprendizado.

Além disso, o sistema deve suportar o carregamento de materiais didáticos das aulas. O aluno deve fazer um download seguro por meio de qualquer dispositivo que ele utilize para estudar.

EAD: ferramenta útil

Pode-se observar que o aumento da procura pelo EAD se torna uma forma de quebrar tabus e paradigmas. O EAD visa levar alunos e professores a acreditar que a plataforma digital é uma ferramenta útil para o processo de ensino e aprendizagem.

Você consegue fazer cursos de graduação, pós-graduação, extensão acadêmica e treinamentos corporativos sem sair de casa.

Agora que você já conhece quais são as boas práticas do EAD, que tal conhecer o nosso site!? Lá você irá conhecer a nossa plataforma e ter contato com todos os nossos cursos!


0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado.